Oh! my god!! Harajuku Girl / Capítulo 2, parte 3: "O Caminho para Harajuku"




 Meu primeiro emprego de meio período foi no Bamiyan,

e eu acabei derrubando o ramen 



Do meu primeiro ano do ensino médio, até o terceiro, eu recebi uma mesada de 5,000 Yen por mês. Eu não sei quanto as outras garotas ganhavam, mas essa quantidade era pequena pra mim. Purikura custava 400 yen cada. Quando eu ia para o karaokê, mesmo durante a semana a tarde custava 500 yen e quando eu ia até Shibuya e Harajuku o trem de ida e volta custava 500 yen. 

Enquanto que para as roupas, se houvesse alguma coisa que eu queria, eu apenas pedia para minha mãe. Com o timing certo, ela até comprava pra mim, mas não é como se ela me comprasse qualquer coisa, a qualquer momento, claro. Por causa disso, eu decidi trabalhar meio período servindo no restaurante da vizinhança Bamiyan.


Eu escolhi o Bamiyan por que eu já tinha ido lá algumas vezes e tinha adorado. O annindoufu deles é tão delicioso. Meu salário era 850 yen por hora. Quando eu chegava em casa da escola, eu ainda trabalhava das 5 até as 9 ou 10 da noite de dois a três dias da semana. Por causa de como os turnos eram, quando eu estava trabalhando, meu "toque de recolher" ficava estendido (por isso, ocasionalmente eu dizia "estou indo pro trabalho" e ia me divertir!).

Esse foi meu primeiro emprego. Eu costumava ser péssima falando com pessoas que não conhecia, então atender pessoas que eu não conhecia dizendo "Bem vindo!" ou "Quantas pessoas?" me deixava incrivelmente nervosa. De qualquer forma, meu trabalho se mostrou ser praticamente apenas dizer coisas como essas. Depois de repetir tantas vezes, antes que eu percebesse, eu me tornei boa em sorrir naturalmente. E foi tudo graças ao treino no Bamiyan que hoje eu sou capaz de falar e cantar na frente de um monte de pessoas... Talvez.

Mesmo que meu uniforme fosse um pseudo-vestido-chinês, eu me arrumava como se estivesse ignorando isso. Eu colocava grandes laços na minha cabeça, então o gerente e as outras meninas me chamavam de "Ribon-chan".
Um dia, eu estava levando o ramen na minha bandeja como sempre. Tinha acabado de ficar pronto e estava extremamente quente. O cliente era o típico "cara assalariado". "Me desculpe pela demora!", eu disse docemente, e fui colocando o ramen delicadamente sobre a mesa, porém minha mão deslizou e a grande tigela caiu... ! O ramen extremamente quente caiu sobre as pernas do cliente!
"Ahhh!"
"Me desculpe!"
Naquele momento eu pensei, "Meu deus, isso é péssimo, o que eu devo fazer?!", o gerente apareceu segurando uma toalha de mão aquecida, perguntando, "Senhor, você está bem?"
"Eu sinceramente peço desculpas pelo que aconteceu, por favor, perdoe-nos" disse o dono do restaurante enquanto secava a calça do cliente com a toalha. "Eu peço desculpas, peço desculpas, nós estamos devendo a você, peço sinceras desculpas, 
peço sinceras desculpas, peço sinceras desculpas, peço sinceras desculpas, peço sinceras desculpas.""Ele se desculpa assim..." Eu pensei confusa enquanto olhava para o dono do restaurante, mas quando eu penso sobre isso, tudo aquilo foi minha culpa. Me desculpe Sr. Cliente e dono do restaurante.
O dono do restaurante parecia com qualquer homem velho, mas ele era gentil e uma pessoa incrivelmente boa.
"Depois disso, seja mais cuidadosa!", ele educadamente me avisou depois do acidente, mas curiosamente, falando daquele jeito, ele deixou uma impressão profunda em mim. E mesmo que eu usasse laços grandes o dono do restaurante me dizia "Oh, você é tão chamativa e elegante!" e foi tolerante sobre isso, mesmo que todo o resto das pessoas fossem incômodas.

Era uma trabalho de meio-período para aqueles que cursavam o ensino médio ou faculdade, então as relações entre nós eram meio confusas. Tudo que conversávamos era algo como "ele e ela estão saindo juntos", ou "ele é ex namorado dela". Basicamente isso. Os alunos da faculdade me chamando pra sair dizendo "Ribon-chan, você não vai dar um passeio com a gente da próxima vez?" eu pensava, "Grosso!" e era cuidadosa para que tivesse o mínimo possível para fazer com eles.
E o pior, as garotas da faculdade ficaram com ódio de mim por nenhum motivo específico. Não importava o que eu fizesse, elas reclamavam de mim. Elas diziam coisas banais como "Isso não é para molho de soja!". Mesmo que estivesse certo, elas reclamavam sobre a aparência dos outros, como "Hmm? Te permitem usar esse laço enquanto está trabalhando?" e daí iam bajular o dono do restaurante e os garotos do meio-período dizendo "Na próxima,    me leve pra sair~".
Por algum motivo, as meninas foram gentis quando eu estava singela, por não estar usando nenhuma maquiagem. "Isso é tão mais fofo!" elas me disseram de uma forma bastante familiar. Cuidem das suas vidas!

Encontre as outras partes do livro AQUI 

Gleice F.

A.K.A うさぎQUEEN. 24 anos, estudante de Gestão Empresarial. Fã de mahou shoujo, rap e jogos indies.

Um comentário:

  1. Eu ficaria completamente desconcertada se tivesse acontecido comigo essa situação do ramen @_@

    Adorei! Continue o bom trabalho Usagiii ♥_♥

    Beijo, ID ♥

    ResponderExcluir

O Otome TeaTime agradece sua visita! Não se esqueça de deixar um comentário falando o que achou, nós respondemos os comentários sempre que possível.

Você pode usar as seguintes formatações sem os espaços:
< i > Texto < / i > - Itálico;
< b > Texto < / b > - Bold;
< a href="LINK"> Nome do link < / a > Links.

ありがとう! ♥